A vida é uma cereja. A morte um caroço. O amor uma cerejeira.

31 de março de 2009




Cerejinha, Alqueva, 2008


Se o quotidiano lhe parece pobre, não o acuse: acusa-se a si próprio de não ser muito poeta para extrair as suas riquezas.


R. M. Rilke

2 comentários: