A vida é uma cereja. A morte um caroço. O amor uma cerejeira.

27 de setembro de 2006

O paraíso é:

No Poço da Cesta, Casal Novo - freguesia de Cepos - concelho de Arganil - distrito de Coimbra - Beiras - Portugal - Europa - Planeta Terra...









O Paraíso no Mundo...

22 de setembro de 2006

19 de setembro de 2006

11 de setembro de 2006

Um cheirinho de Europa de Leste

A carrinha húngara para no posto fronteiriço Hungria/Eslováquia e o Manel, condutor de serviço, diz num português alegre e animado para o guarda fronteiriço eslovaco:
- BOM DIA! Somos oito portugueses! Aqui estão os nossos Bilhetes de Identidade! – e estende os oito B.I. ao guarda, com um largo sorriso estampado no rosto.
De imediato sete portugueses barulhentos rebentam a rir dentro da carrinha, com esta abordagem simpática mas que se prova ininteligível ao interlocutor.
De imediato também, o rosto impassível do lado de trás do vidro do posto de controlo se torna duro e fechado e responde numa voz ríspida:
- Stop the car five meters away!

Logo que a carrinha se imobiliza, no parque existente do lado direito, um pouco mais à frente saltam do seu interior os oito portugueses, enérgicos, fartinhos de quilómetros e quilómetros de estrada e começam a desentorpecer os músculos conforme podem.
Os quatro juniores saltam e gesticulam, ensaiam manobras de Kung-fu e luta livre uns com os outros.
A P., sempre armada de máquina fotográfica, começa de imediato a fotografar tudo o que pode, prevendo uma paragem curta, logo...há que aproveitar...
Cerejinha, expectante, observa o guarda que se aproxima a ... marchar!
Colocou o capote e o chapéu, de um modelo muito semelhante aos que veremos nos antiquários de Praga e Budapeste nos próximos dias e que são vendidos como recordação dos tempos de ocupação soviética. Logo que nos alcança dá uma ordem de comando com uma voz forte e marcial:

This is not a circus!
This is a police control!


Todos nos imobilizamos de imediato na posição em que nos encontrávamos...numa fracção de segundo visualizo o jogo dos tempos da minha infância e as posições que fazíamos quando quem gritava “1, 2, 3, macaquinha do chinês!” se virava repentinamente para trás para nos apanhar em falta...
Ao ver que, pelo menos a voz de comando tinha sido respeitada, o guarda acalma-se, abandona a posição de sentido e começa a fazer a chamada dos nossos nomes pelos Bilhetes de Identidade, observando gelidamente os interlocutores.

Os quatro juniores, nem nas suas piores suposições de uma escola repressiva imaginavam uma cena assim...aposto que nem se imaginavam a corresponder tão obedientemente a uma voz de comando...
Ao chegar ao B.I. do Manel o guarda “fecha” ainda mais a carantonha (como é que foi possível...já estava dura como pedra...) e vocifera:

-AH! The chofer! When I say five meters away is FIVE METERS AWAY!
Not twenty meters!


O "Chofer" encolhe os ombros... parou ali por ser um parque...mas vá lá ele conseguir explicar ao guarda porque o fez...

O FLA tenta contemporizar "...It's our first time in this country...you know...we are all very happy... Portuguese are very happy people..."

Sem resposta...só um olhar gélido.

Este guarda viveu uma época, não muito distante, de grande repressão e controle. Provavelmente nunca imaginou que a abertura do seu país ao Ocidente viesse a originar cenas como esta. Para ele é incompreensível que um grupo de pessoas de outro país tenha esta postura num posto fronteiriço.
Para nós, cidadãos despreocupados e habituados a ter a liberdade como certa o que nos chocou foi a frieza.
"Generation gap" entre países da Europa...
Mas saímos dali mais cuidadosos, mais atentos aos sentimentos das pessoas que poderíamos encontrar nesta viagem. A alegria e a boa disposição nem sempre são boas técnicas de abordagem. Apesar de serem as que priveligiamos.

Entre nós tinha-se criado a primeira frase de comando desta viagem: Logo que algum de nós fazia ou dizia algo que não estava nos conformes de imediato ouvia-se uma voz:

This is not a circus!

5 de setembro de 2006