A vida é uma cereja. A morte um caroço. O amor uma cerejeira.

29 de dezembro de 2006

Renovação


Se não houver frutos, valeu a beleza das flores. . . Se não houver flores, valeu a sombra das folhas . . . Se não houver folhas, valeu a intenção da semente . . .
(Henfil)

19 de dezembro de 2006

Significado de sinais



Na idade média os livros eram escritos à mão pelos copistas .
Percursores da taquigrafia, os copistas simplificavam o trabalho substituindo letras, palavras e nomes próprios, por símbolos, sinais e abreviaturas. Não era por economia de esforço nem para o trabalho ser mais rápido. O motivo era de ordem económica: tinta e papel eram valiosíssimos.

Foi assim que surgiu o til (~), para substituir uma letra ( um "m" ou um "n") que nasalizava a vogal anterior. Um til é um "enezinho" sobre a letra. O nome espanhol Francisco, que também era grafado "Phrancisco", ficou com a abreviatura "Phco." e "Pco". Foi fácil o nome Francisco passar a ser o espanholissimo Paco.

Os santos, ao serem citados pelos copistas, eram identificados por algo de significativo nas suas vidas. Assim, o nome de São José aparecia seguido de "Jesus Christi Pater Putativus", ou seja, o pai putativo (suposto) de Jesus Cristo. Mais tarde os copistas passaram a adoptar a abreviatura "JHS PP" e depois "PP". A pronúncia dessas letras em sequência explica porque é que José em espanhol é Pepe.

Já para substituir a palavra latina et (e), os copistas criaram um símbolo que é o resultado do entrelaçamento dessas duas letras: &. Esse sinal é popularmente conhecido como "e comercial" e em inglês, tem o nome de ampersand, que vem do and (e em inglês) + per se (do latim por si) + and.

Com o mesmo recurso do entrelaçamento das suas letras, os copistas criaram o símbolo @ para substituir a preposição latina ad, que tinha, entre outros, o sentido de "casa de".
Veio a imprensa, foram-se os copistas, mas os símbolos @ e & continuaram a ser usados nos livros de contabilidade. O @ aparecia entre o número de unidades da mercadoria e o preço - por exemplo :o registro contábil "10@£3" significava "10 unidades ao preço de 3 libras cada uma".

Nessa época o símbolo @ ficou conhecido como, em inglês, "at" (a ou em ).

No século XIX, nos portos da Catalunha (nordeste da Espanha), o comércio e a indústria procuravam imitar práticas comerciais e contáveis dos ingleses.

Como os espanhóis desconheciam o sentido que os ingleses atribuíam ao símbolo @ (a ou em), acharam que o símbolo seria uma unidade de peso - por engano. Para o entendimento contribuíram duas coincidências:

1- a unidade de peso comum para os espanhóis na época era a arroba, cujo "a" inicial lembra a forma do símbolo;

2- os carregamentos desembarcados vinham freqüentemente em fardos de uma arroba. Dessa forma, os espanhóis interpretavam aquele mesmo registo de "10@£3" assim: "dez arrobas custando 3 libras cada uma". Então o símbolo @ passou a ser usado pelos espanhóis para significar arroba.

Arroba veio do árabe ar-ruba, que significa "a quarta parte": arroba (15 kg em números redondos) correspondia a ¼ de outra medida de origem árabe (quintar), o quintal (58,75 kg).

As máquinas de escrever, na sua forma definitiva, começaram a ser comercializadas em 1874, nos Estados Unidos (Mark Twain foi o primeiro autor a apresentar os seus originais datilografados). O teclado tinha o símbolo "@",que sobreviveu nos teclados dos computadores.

Em 1972, ao desenvolver o primeiro programa de correio eletrônico (e-mail), Roy Tomlinson aproveitou o sentido "@" (at -em Inglês), disponível no teclado, e utilizou-o entre o nome do usuário e o nome do provedor.

Assim Fulano@ProvedorX ficou a ter o significado: "Fulano no provedor (ou na casa) X".

Em diversos idiomas, o símbolo "@" ficou com o nome de alguma coisa parecida com a sua forma.

Em italiano chiocciola (caracol), em sueco snabel (tromba de elefante), em holandês, apestaart (rabo de macaco).

Em outros idiomas, tem o nome de um doce em forma circular: "shtrudel", em Israel; "strudel", na Áustria; "pretzel", em vários países europeus.



...e não digam que eu não ensino nada...

15 de dezembro de 2006

Postal de Natal


Segundo sugestão da Sutra, vamos criar um mega postal de Natal:

- As mensagens de Natal são individuais!
- Cada um que quer participar, envia a sua mensagem por mail! - sutra@contossecretos.com - terá apenas esse objectivo e mais nenhum.
- O prazo é até dia 19 de Dezembro deste ano e não do ano 2007, 2008, etc.
- Quem quer entrar naquilo que eu
(ela Sutra, mas eu,Cerejinha, apoio) gostava que fosse o maior postal enviado, participa e envia o mail. (...)



Vejam no blog Contos Secretos mais procedimentos!

6 de dezembro de 2006

4 de dezembro de 2006

Os blogues que eu prefiro

Como parece haver por aqui algo que me ultrapassa, repito:

E após o dito período de reflexão aqui estou a dar conta das minhas escolhas. Estes são os blogues que me acompanham quando quero passear pela net. Sem juízo de valores acerca dos “bons” ou dos “reles” são os que leio porque me apetece, passo por eles frequentemente, comento pouco e claro prefiro os dos meus amigos, virtuais ou em carne e osso, é com eles que tenho afinidades e por isso os seus posts dizem–me mais do que aí leio.