A vida é uma cereja. A morte um caroço. O amor uma cerejeira.

25 de abril de 2006

Ruinas de Empuries

E uma civilização grega na Peninsula Ibérica?
Sabiam que tinha existido?
Ainda antes dos romanos?
...eu não sabia...mas fiquei a saber, depois de visitar as ruinas de Empuries nesta maravilhosa costa mediterranica...









24 de abril de 2006

As aves de rapina


Em Sant Feliu de Codines, visitámos o
Cim d'Aguiles , centro de aves de rapina onde assistimos a uma exibição absolutamente espectacular. O Centro - criação, procriação e estudo - promove também a exibição de aves de rapina, tanto para possibilitar a manutenção do Centro, como para dar a conhecer a actividade que aí desenvolve. São aves de porte altivo, extremamente bem tratadas e cuidadas. Apesar de poderem dar as suas voltinhas, voltam sempre ao "local do crime". LoL






Dali II

Aqui não apresento obras do Dali mas o local por ele escolhido para viver. Cadaqués.
Cada janela da casa de Dali é uma pintura...
De todas elas se visualizam paisagens de sonho desta aldeia de pescadores.









A casa de pescador que Dali e Gala compraram era rustica e humilde e foi crescendo à medida dos seus sonhos e desejos.

Cresceu até ter vários quartos e zonas de lazer, um atelier, um estudio para os modelos, a sala oval - com caracteristicas auditivas especiais, um enorme jardim, uma piscina monumental...


Salvador Dali foi um homem de excessos. Amou excessivamente Gala, a mulher da sua vida, desde que se conheceram nunca mais se deixaram apesar de terem um amor não convencional, a sua paixão por Gala era desmedida. As representações femininas dos seus quadros são todas de Gala. Não hesitava em a martirizar de vários modos e como homem de excessos que era, dava de tal modo valor à amizade que partilhava e oferecia Gala aos seus amigos, assim como partilhava esta magnifica casa.

Aqui aconteceram meetings, orgias, encontros de excentricos que promoviam uma arte e uma forma de estar na vida pouco compreendida pelo comum mortal.


21 de abril de 2006

San Miquel del Fai



Outro espaço que a natureza privilegiou:
O mosteiro de San Miquel del Fai, que parece estar suspenso nas concavidades da encosta, e toda a envolvencia onde está construido.
A cascata tem passagem por trás, os liquens são esplendorosos e as grutas lindas!...

20 de abril de 2006

Salvador Dali





Tenho de confessar uma coisa: Se há artista que me fascina esse artista chama-se Salvador Dali. Sou capaz de ficar horas perante uma obra sua tentando imaginar o que quereria ele expressar com os seus quadros, as suas esculturas, as suas obras. E tenho a certeza que, por muito imaginativa que eu seja, ficarei sempre aquém dos seus pensamentos enquanto criava. Conheci a obra de Dali nos anos 70, altura de irreverencia, minha e da época, talvez por isso este meu fascinio. Fui acompanhando as suas criações, a sua "insanidade" como alguns insistiam em dizer... Ainda cheguei a tentar reproduzir algumas obras dele só para deleite pessoal e imaginando o que seria o seu mundo, mas acho que ninguém consegue entrar na mente tão complexa que Dali apresentava. Nem com alucinogénicos... :)












Por esta admiração que me tem acompanhado ao longo da vida foi para mim um dos momentos altos desta viagem à Catalunha a visita ao Museu do Dali, em Figueres e também à casa onde ele viveu com a Gala em Cadaqués. Aqui deixo algumas fotos do museu, oportunamente falarei da casa...



18 de abril de 2006

O Congost de Mont Rebei

Saimos de Tremp rumo ao Congost de Mont Rebei na serra del Montsec - rio Noguera Ribagorçana



O Congost (garganta) é a fronteira natural entre as províncias de Catalunha e Aragão.
Iniciámos a nossa caminhada, atravessando uma ponte suspensa que balançava deliciosamente ou perigosamente – as opiniões dividiam-se...
Esta ponte introduziu-nos na garganta e a partir daqui a paisagem era espectacular.

Deliciem-se...




17 de abril de 2006

Barcelona



Aqui estou a dar conta do que se passou connosco nas férias em Barcelona e na Catalunha Pirenaica.
Barcelona é um festival de sons, cor e movimento. É uma cidade sempre em festa. O colorido dos edifícios de Gaudi, o movimento e a agitação de bares, cafés, teatros, espectáculos faz desta cidade uma das minhas favoritas na Europa. É aquela cidade em que ao andarmos nas compras encontramos sempre alguma coisa de diferente que nas outras não existe, apesar da globalização e da proliferação das cadeias internacionais.
O tempo esteve excelente. Nada de chuva e muito sol com uma temperatura amena. Nota-se cada vez mais a afirmação da língua catalã e do sentimento de orgulho autónomo que aquela gente exibe. Nota-se também um certo ressentimento para com os portugueses. Para quem não sabe a nossa revolta de 1640 foi um aproveitamento da agitação que se vivia na Catalunha contra a tirania do conde duque de Olivares. As guarnições castelhanas estacionadas em Lisboa foram deslocadas para a Catalunha deixando o nosso pais menos vigiado o que foi de pronto aproveitado pelos portugueses. Após a revolta de 1640 a questão que se pôs aos castelhanos foi, defender a Catalunha ou reconquistar Portugal? Optaram pela Catalunha e assim ficámos independentes. Os catalães aprendem isto na escola. E nós? Bem... nós, neste momento desconfio que se fizessem um referendo optávamos por ser espanhóis. Pois é... Àquilo que temos como certo não damos importância, a experiência ou as conquistas dos outros, mesmo quando delas usufruímos, se não nos custaram não são valorizadas.